Jornal de poesia busca financiamento coletivo com apoio a partir de R$ 1

Captura de Tela 2017-06-23 às 13.52.58O jornal literário Plástico Bolha, que há dez anos publica e divulga literatura de forma independente, abriu uma campanha de financiamento coletivo na internet, na plataforma Apoia.se. A primeira meta, para equalizar os custos da equipe que avalia uma grande quantidade de material recebida, é modesta, e pode começar com doações de apenas R$ 1 por mês. A publicação criada por Lucas Viriato cresceu em número de páginas, leitores, colaboradores e pontos de distribuição e a ideia agora é que ela seja auto-sustentável, estruturada, mais regular e com ainda mais relevância no cenário literário contemporâneo, alcançando novos espaços, publicando mais poetas, formando mais leitores e divulgando mais e melhor a escrita. Viriato também é curador da exposição Poesia agora, que já passou por São Paulo, Salvador e atualmente está em cartaz na Caixa Cultural do Rio de Janeiro (Av. Almirante Barroso, 25 – Centro). O apoio pode ser feito no site https://apoia.se/plasticobolha

Anúncios

Lendas e mitos em uma grande festança

Cafofo-do-remelexo_assessoriaCafofo do Remelexo (Zit) reúne, numa mesma história, personagens da cultura popular que frequentam o imaginário das crianças brasileiras, do Lobisomem ao Bicho-Papão, da Mula Sem Cabeça à Loura do Banheiro. Só que eles se encontram no cafofo que dá título à publicação, um lugar cujos donos são Monteiro Lobato e Luís da Câmara Cascudo, onde tem muita música e quem entra tem que ter remelexo, ou seja, é festa! O livro foi escrito a seis mãos, em família, pela escritora Andrea Viviana Taubman, autora de várias obras para crianças e jovens, seu companheiro, o professor Marcelo Pellegrino, e o filho, Thiago Taubman Costa, estudante do 2º ano do ensino médio, cursando Técnico em Multimídia no Nave Oi Futuro. As ilustrações cheias de humor são de Julio Carvalho. Amanhã, às 14h, os quatro fazem um bate-papo com o público no Espaço FNLIJ de Leitura no Salão FNLIJ do Livro para Crianças e Jovens, no Centro de Convenções SulAmérica/Salão Nobre (Av. Paulo de Frontin, 01 – Cidade Nova – Centro – Rio de Janeiro).

Flip anuncia programação da Casa Amado e Saramago

Uma das novidades da 15ª Festa Literária Internacional de Paraty, a Casa Amado e Saramago, que será instalada no centro histórico da cidade durante o evento, fruto de parceria entre a Fundação José Saramago e a Fundação Casa de Jorge Amado, vai oferecer uma ampla programação, com apresentações de livros, mesas redondas, concertos, sessões de leitura e exposições. A programação (ainda sujeita a alteração) é a seguinte:

27 de julho – Quinta-feira

10h – Abertura da Casa Amado e Saramago – Boas-vindas com um café português: abertura da exposição de fotos de Jorge Amado e José Saramago e da exposição de xilogravuras de J. Borges para o conto “O Lagarto”, por Sérgio Machado Letria, diretor da Fundação José Saramago

10h30 – Dois corações vermelhos  – Conversa entre Lilia Schwarcz, Paloma Amado e Pilar del Río sobre os universos literários, ideológicos e afetivos de Jorge Amado e José Saramago

15h – O sabor da palavra liberdade – Andrea Zamorano, autora de A Casa das Rosas, e José Eduardo Agualusa, de A Sociedade dos Sonhadores Involuntários, falam dos seus mais recentes livros – moderação de Francisco José Viegas

16h30 – Uma viagem até ao Alentejo de Peixoto e de Saramago – José Luís Peixoto, autor de Galveias, num passeio pelo espaço literário do Alentejo de Saramago, Vergílio Ferreira, Fernando Namora, Manuel da Fonseca e Almeida Faria

18h – O que quer o que pode essa língua? – Uma conversa sobre as dificuldades de publicar em português do outro lado do Atlântico. Com Bárbara Bulhosa, Francisco José Viegas e Julia Bussius – moderação de Ricardo Viel

28 de julho – Sexta-feira

10h30 – Escreva e lute como uma mulher – Adelaide Ivanova e Djaimilia Pereira de Almeida conversam sobre literatura e feminismo nos dias de hoje – moderação de Schneider Carpegianni

15h – Revisitar os clássicos – Frederico Lourenço é entrevistado por Anabela Mota Ribeiro

15h – Em teu ventre – José Luís Peixoto conta o processo de construção do seu romance Em teu Ventre, sobre o fenómeno de Fátima, num encontro com o filósofo e historiador Lira Neto, autor de Padre Cícero: Poder, Fé e Guerra no Sertão

19h30 – Uma amizade em cartas – Apresentação do livro Com o mar por meio. Uma amizade em cartas – Jorge Amado e José Saramago. Com Paloma Amado, Pilar del Río e Luiz Schwarcz

21h – Antigamente aqui era o mar – A cantora Lívia Nestrovski e o guitarrista Fred Ferreira apresentam um concerto inspirado nas cartas e nos livros de Jorge Amado e José Saramago

29 de julho – Sábado

10h30 – O dever de exigir – Luiz Eduardo Soares, José António Pinto Ribeiro debatem sobre Direitos e Deveres Humanos na sociedade atual – moderação de Pilar del Río

15h – Invisível centena – Lançamento do catálogo Intelectuais Negras Visíveis. Com Giovana Xavier (UFRJ) e Janete Santos Ribeiro (ISERJ)

17h – O que se vê, o que se sente – Kiffer e Giovana Xavier numa conversa sobre racismo e empoderamento – moderação de Anabela Mota Ribeiro

19h – Como se fosse a casa – Ana Martins Marques e Eduardo Jorge, apresentação do livro de poemas “Como se fosse a casa”

2030h – Roçar a língua de Luís de Camões e de Pessoa – Sessão de leitura de poesia com vários autores

21h30 – Sobre o mar: Ondjaki e Marcello Magdaleno – Encerramento da casa com música e poesias(s) de Angola, Portugal e Brasil (com escrita ao vivo), e um copo de vinho português

Ação solidária com troca de livros

icon-sinceNeste sábado, das 11h às 17h, a livraria Arte & Letra (Alameda Dom Pedro II, 44 – Batel – Curitiba – PR) recebe a segunda edição do projeto Escambo Solidário, cujo objetivo é promover a troca de livros por agasalhos novos ou em bom estado. Toda a arrecadação será destinada à Fundação de Ação Social (FAS), que atende pessoas em situação de vulnerabilidade social da região de Curitiba. Além de parte do acervo do jornal Rascunho, estarão disponíveis livros das editoras Zahar, Intrínseca, Grupo Editorial Record, Encrenca (selo da Arte & Letra) e A Página (distribuidora e livraria). Foram selecionados cerca de 500 títulos de diversos gêneros como infantil, jovem adulto, ficção, não-ficção, poesia e biografia.

Livro traz memórias de judia que se casou com oficial nazista

A mulher do oficial nazistaAté onde você iria para sobreviver a uma guerra? Esta é a pergunta respondida por A mulher do oficial nazista (HarperCollins), que traz as memórias de Edith Hahn Beer, com colaboração da escritora Susan Dworkin. É a história real da judia que se casou com um oficial nazista e sobreviveu ao Holocausto. Aprisionada em um gueto e obrigada a trabalhar como escrava em uma fazenda e em uma fábrica, a austríaca Edith conseguiu escapar e mudar de identidade, fingindo ser a alemã Grete Denner. Até conhecer Werner Vetter, membro do partido nazista que se apaixona por ela. Mesmo confessando ser judia, o oficial a pediu em casamento e manteve sua identidade em segredo. No livro, Edith conta como era viver em constante medo. Ela revela como os oficiais nazistas casualmente questionavam a linhagem de seus pais e descreve o momento em que seu marido foi capturado pelos soviéticos e ela foi expulsa de casa, escondendo-se em escombros porque soldados russos bêbados estupravam mulheres na rua. Apesar do risco que corria, Edith guardou documentos e fotografias, que hoje fazem parte da coleção permanente do Museu Memorial do Holocausto, em Washington. Após a guerra, ela se divorciou, recuperou sua verdadeira identidade, passou a viver em Londres e se casou novamente, dessa vez com um mercador judeu. Com a morte de seu segundo marido, Edith se mudou para Israel. Ela morreu em 2009.

Os inéditos e dispersos de Hilda

Captura de Tela 2017-06-21 às 15.58.42Da poesia (Companhia das Letras) reúne toda a obra poética da paulista de Jaú Hilda Hilst, iniciada em Presságio, lançado quando ela tinha 20 anos de idade. Além de poemas que tinham sido publicados em mais de 20 livros, muitos deles em edições independentes e de pequenas tiragens, o volume traz ainda versos inéditos da escritora, cronista e dramaturga. É o mesmo formato de antologia que a editora vem fazendo com outros poetas brasileiros, como Ana Cristina Cesar e Paulo Leminski, que têm um público cativo. Hilda, com uma literatura considerada hermética, ganhou um ar popular em 1990, ao publicar O caderno rosa de Lory Lamby, romance pornográfico narrado por uma criança. Passou a escrever outros romances e poemas de cunho erótico, dizendo estar dando “adeus à literatura séria” em uma tentativa de vender mais e finalmente conquistar o reconhecimento do público. Morou durante boa parte de seus 73 anos cercada de cachorros em Campinas (SP), na Casa do Sol, sítio que hoje abriga o Instituto Hilda Hilst. O livro traz ainda uma fortuna crítica, com posfácio de Victor Heringer, carta de Caio Fernando Abreu para Hilda, dois trechos de Lygia Fagundes Telles sobre a amiga e uma entrevista a Vilma Arêas e a Berta Waldman, publicada no Jornal do Brasil em 1989. Confira um dos poemas inéditos do livro:

Não vou morrer. Há construções

Grafias, mandalas, atalhos

A percorrer. Há liames, pontes,

Consanguinidade.

E tantas coisas tão distantes

E tão perto de mim

 

Que hei de passar milênios

A separar o equidistante.

Há teu corpo. E tua boca

A me dizer: vive. Ama-me.

Persegue-me. E com tantas delongas

Como posso ser uma e ser tão breve?

Salão do Livro para Crianças e Jovens abre amanhã para o público em geral

image004Abre amanhã para o público o 19º Salão FNLIJ do Livro para Crianças e Jovens. O evento, que começou hoje exclusivamente para professores, está mais enxuto pela falta de patrocínios, mas quem for ao Centro de Convenções SulAmérica/Salão Nobre (Av. Paulo de Frontin, 01 – Cidade Nova – Centro – Rio de Janeiro) vai poder conferir uma série de lançamentos bacanas e bate-papos com escritores e ilustradores que têm como principal objetivo estimular a formação de leitores. Fabrício Valério, autor de A menina que parou o trânsito (V&R), conversa com o público nesta quinta-feira, às 11h. Com ilustrações de Bruna de Assis Brasil, o livro propõe uma pausa no ritmo frenético da cidade grande, fazendo uma reflexão sobre a questão da mobilidade urbana e do empoderamento infantil. O livro marca a estreia de Valério, que é o editor responsável pela publicação de Diário de um Banana no Brasil. Destaque também para a escritora e ilustradora Rosinha, que está lançando O mar de Cecília (Editora do Brasil), que integra a coleção Poíesis. Ela conversa com os pequenos leitores nesta sexta-feira, às 9h. Na quarta-feira, às 14h, a escritora Patrícia Barboza fala sobre seu novo livro A consultora teen. (Verus), que tem como protagonista uma jovem que acaba de se mudar com a família para outra cidade e resolve criar um canal de comunicação com outros adolescentes. Confira a programação completa do Salão FNLIJ em https://salaofnlij.wordpress.com/programacao/. O evento vai até o dia 28, de segunda a sexta-feira das 8h30 às 17h, e sábado e domingo das 10h às 18h, com ingressos a R$ 12.