Livro inspirado em conto de fadas vence concurso da Galera Record

downloadSob a capa vermelha, de Mariana Vitória da Silva, foi o vencedor do concurso “Sua história nos 10 anos da Galera Record”, que celebra o aniversário do selo. Primeiro colocado entre 50 classificados, o livro será publicado em 2018, tanto em formato impresso quanto em e-book. Outros dois colocados ganharão edições em e-book: Radioativo, de Gabriel Mariano Pozzi, e A fantástica visão de Victor, de Natália Chaves Oliveira. Fantasia inspirada em Chapeuzinho Vermelho, o vencedor conta a história de uma menina que vive confinada e escondida num casebre com a mãe, no Reino de Tergaron, mas tem dentro de si o espírito de um lobo, tornando seus sentidos mais aguçados. Radioativo é uma saga divertida e surreal que conta a história de alguém capaz de se transportar por diferentes dimensões e que pretende se tornar um escritor famoso. Já A fantástica visão de Victor narra a jornada de um menino cego de 12 anos, que tem o avô como melhor amigo.

Anúncios

Mauricio de Sousa fala da biografia que está lançando na Bienal

Ontem, na Bienal do Livro do Rio de Janeiro, tive a honra de mediar a apresentação de Mauricio de Sousa no Encontro com Autores. O criador da Turma da Mônica está lançando sua biografia, Mauricio – A história que não está no gibi (Primeira Pessoa), onde revela os percalços que viveu até alcançar o sucesso que conhecemos. No trecho acima, ele conta o que ouviu ao pedir sua primeira grande chance na área. Num auditório lotado, ele adiantou algumas passagens do livro, inclusive a que mostra que ele foi cantor de rádio na infância. O auditório de 400 lugares ficou lotado de fãs de todas as idades.

Imagens: Wellington Pereira

Programação da Flip teve público maior que no ano passado

unnamedOs organizadores da Festa Literária Internacional de Paraty, encerrada há um mês, consolidaram os números da edição 2017, que priorizou a diversidade e voltou a ocupar a Praça da Matriz. O levantamento mostrou que a programação principal teve 24.380 acessos de público no Auditório da Matriz e no Auditório da Praça e 8.400 acessos na Praça da Matriz, totalizando 32.780 acessos. No ano passado, a Tenda dos Autores e a Tenda do Telão tiveram 18.500 acessos e a Praça do Telão 8.200 acessos, totalizando 26.700 acessos. O público final na cidade do sul fluminense nos cinco dias do evento foi estimado em 25 mil pessoas, mesma média de 2016. As pousadas tiveram uma ocupação de 90%, número também similar a 2016, segundo dados da Paraty Convention & Visitors Bureau. A Livraria da Flip obteve R$ 1,07 milhões em vendas, contra R$ 823 mil em 2016. O livro mais vendido foi Na minha pele (Objetiva), de Lázaro Ramos, com 1,2 mil exemplares, um recorde em todas as 15 edições do evento.

Bienal do Livro começa hoje

Captura de Tela 2017-08-31 às 01.57.02Começa hoje a 18ª Bienal Internacional do Livro do Rio de Janeiro A cerimônia de abertura será às 11h, com o prefeito do Rio, Marcelo Crivella; o Secretário da Economia da Cultura, Mansur Bassit; o Secretário Estadual de Educação, Wagner Victer; o Secretário Estadual de Cultura, André Lazaroni; a Secretária Municipal de Cultura, Nilcemar Nogueira; e o presidente do Sindicato Nacional dos Editores de Livros, Marcos Pereira. Logo depois, ao meio-dia, o evento será aberto ao público. Entre os destaques deste primeiro dia estão a mesa Trajetórias editoriais, às 17h, no Café Literário, com os editores Luiz Schwarcz, Alberto Martins e Cristina Zahar, e mediação de Mànya Millen, e o papo Poesia em toda parte, às 18h, no espaço #Arenasemfiltro, com Rafael Vitti, Yasmim Gomlevsky, Charles Peixoto e João Doederlein (akapoeta), mediado por Viviane Mosé. Outro destaque é a mesa especial no Café Literário, às 18h30, em homenagem a Sergio Machado, editor e presidente da Record, morto no ano passado. A atual presidente do Grupo e irmã de Sergio, Sônia Machado Jardim, a escritora Lya Luft e os autores Edney Silvestre e Eduardo Spohr vão falar sobre a trajetória dele à frente da casa, que em dezembro completa 75 anos. A conversa será mediada pela jornalista Leda Nagle. A HarperCollins Brasil vai apresentar às 13h em seu estande (G09/H10) o filme #PorQueEuLeio, com efeitos em 3D, que vai falar sobre a importância da leitura e sobre livros que viram filmes (e vice-versa). A obra terá ainda depoimentos de autores como Leandro Karnal, Andrea Pachá e Larissa Manoela. que falaram por que escrevem, por que leem e quais obras foram responsáveis por influenciá-los. Pela primeira vez com estande próprio no evento, a casa editorial terá bate-papos com autores e oficinas com editores em um espaço de 280 metros quadrados que terá o formato de um grande livro aberto. A campanha #PorQueEuLeio foi desenvolvida para comemorar os 200 anos da HarperCollins Publishers. Já a Amazon, que também terá intensa programação em seu estande, apresenta hoje às 16h um bate-papo com Gisele Mirabai, vencedora do Prêmio Kindle de Literatura com Machamba, sobre a experiência de participar da premiação e entender como publicar de maneira independente pelo Kindle Direct Publishing (KDP), ferramenta de autopublicação que permite publicar obras em formato digital sem custo, com ganhos de até 70% em direitos autorais. A segunda edição do prêmio está com inscrições abertas até 31 de outubro pelo site www.amazon.com.br/premiokindle. O autor do e-book premiado ganhará R$ 30 mil em dinheiro e será publicado em formato impresso pela editora Nova Fronteira.

Captura de Tela 2017-08-31 às 01.46.37

Evento literário na Serra Fluminense homenageia Machado de Assis

Captura de Tela 2017-08-30 às 10.38.36O Presidente da Academia Brasileira de Letras, Domício Proença Filho, e o poeta Antonio Carlos Secchin, também integrante da ABL, abrem logo mais, às 19h, a Festa Literária da Serra Imperial (Flisi), no Cine Teatro Imperial, em Petrópolis. O evento, na serra fluminense, vai até sábado, e homenageará Machado de Assis e os 120 anos da instituição que ele ajudou a fundar e da qual foi seu primeiro presidente. Domício Proença Filho falará sobre o aniversário da ABL, comemorado em 20 de julho, e a história da casa nessas 12 décadas. Secchin fará a palestra “Traindo a tradição: Machado de Assis e Dom Casmurro”, na qual serão apresentados os principais argumentos contra e a favor de Capitu ao longo do tempo, e será proposta uma alternativa que procura redimensionar o problema, levantando uma hipótese até então desconsiderada sobre o clássico de Machado, Dom Casmurro. Será inaugurada ainda a exposição A Serra Imperial de Machado de Assis e seus melhores poemas, com fotos do acervo da Biblioteca Nacional associadas aos poemas do escritor. O acadêmico Antônio Callado também será homenageado na Flisi por seu centenário de nascimento, com a inauguração de uma sala de leitura com mil livros novos, na Casa da Educação Visconde de Mauá, e com a exposição Quarup, que revive seu romance homônimo, sobre os índios do Xingu. A Flisi é uma realização do Museu Imperial, unidade do Instituto Brasileiro de Museus do Ministério da Cultura, idealizada pelo Instituto Oldemburg de Desenvolvimento. Este ano, segundo os organizadores, a festa percorrerá diversos espaços culturais de Petrópolis, como o Centro Cultural Raul de Leone, a Casa da Educação Visconde de Mauá e a Casa Stefan Zweig, além do Museu.

Reflexão sobre obra de João Cabral de Melo Neto à luz da psicanálise

João Cabral de Melo Neto autor de Morte e Vida SeverinaO poema “Morte e Vida Severina”, de João Cabral de Melo Neto, é a inspiração para a Jornada Temática do 26º Congresso Brasileiro de Psicanálise da Febrapsi (Federação Brasileira de Psicanálise) Morte e Vida – Novas Configurações. O evento será neste sábado, das 9h às 17h, no Auditório do Edifício Cidade do Leblon (Avenida Ataulfo de Paiva, 135/ 18º andar – Leblon – Rio de Janeiro). A jornada convida à reflexão sobre como se morre e como se vive em nossos tempos e culturas e pretende, através do viés da psicanálise, da antropologia e da filosofia, propiciar um intercâmbio de ideias e debates. O encontro é promovido pela Sociedade Brasileira de Psicanálise do Rio de Janeiro (SBPRJ), Sociedade Psicanalítica do Rio de Janeiro (SPRJ) e Associação Psicanalítica do Estado do Rio de Janeiro (Aperj-Rio4). As inscrições podem ser realizadas na sede da SBPRJ (Rua David Campista, 80 – Humaitá), pelo e-mail tesourariasbprj@sbprj.org.br e pelo telefone (21) 2537-1333.

Os livros da vida de Sofia Silva

sofiaCom mais de um milhão de visualizações no Wattpad e mais de 700 mil leituras no Kindle Unlimited da Amazon, a jovem escritora portuguesa Sofia Silva vem lançar Sorrisos quebrados (Valentina) na Bienal do Livro Rio. Ela participa do evento neste sábado, às 11h, no Encontro com Autores, e depois autografa o livro na Praça Copacabana do Riocentro, das 15h às 18h. Nos dias 7 e 10, faz novas sessões de autógrafos no estande da editora, no pavilhão Azul, E18. O público paulista vai vê-la já nesta quarta-feira, na Saraiva do Shopping Center Norte (Travessa Casalbuono, 120), das 18h às 22h. O livro, que aborda temas como violência doméstica, depressão, deficiência física e abuso sexual, faz parte da série Quebrados, que reúne ainda outros três títulos. Corações quebrados será publicado pela Valentina em 2018. Aqui, Sofia fala sobre suas leituras favoritas.

SM – Qual o primeiro livro do qual você tem lembrança?

SS – A série Uma Aventura, de Ana Maria Magalhães e Isabel Alçada. Livros infantis sobre as aventuras de cinco jovens por diversos lugares. 

SM – Que livro mais marcou a sua vida?

SS – É complicado quando foram tantas as boas leituras, mas A lua de Joana, da Maria Teresa Maia Gonzalez, que retrata a vida de jovens e as consequências da toxicodependência, foi a minha primeira leitura de adolescente e o momento em que percebi o poder de uma história.

SM – O que você está lendo agora?

SS – Estou a reler Sozinhos na ilha, da autora Tracey Garvis-Graves.

capa300dpisFINALrelease