Encontros no Sesc vão discutir poesia feita por mulheres

viviane laprovitaDurante todo o mês de outubro as poetas Viviane Laprovita (foto) e Angélica Freitas vão se encontrar a cada semana em uma unidade do Sesc no Rio de Janeiro para discutir a literatura feita por mulheres. A entrada é gratuita e tem mediação de Yasmin Nigri. As sessões com as poetas são chamadas de “Expressões”, para que haja um bate-papo sobre suas atuações literárias. Angélica Freitas é poeta e tradutora brasileira, autora dos livros Rilke Shake e Um útero é do tamanho de um punho, reconhecida nacionalmente por temáticas como feminismo e cotidiano em suas poesias impactantes e profundas. Viviane Laprovita é fotógrafa, cineasta, artista visual, grafiteira, poeta e slammer, com trabalhos inspirados em cultura, resistência, protagonismo negro e liberdade do feminino. A pergunta que norteia o evento é: “Por quais caminhos a poesia, a resistência e o cotidiano se encontram?”. O primeiro encontro será nesta quarta-feira, às 15h, no Sesc Tijuca. No dia 11, às 16h, elas estarão na unidade de Niterói. No dia 18, às 19h, é a vez do Sesc São Gonçalo. A programação termina no dia 25, às 15, no Sesc Madureira.

 

Anúncios

Jornada de Passo Fundo começa logo mais

Captura de Tela 2017-10-02 às 11.26.29Começa hoje e vai até sexta-feira a 16ª. edição da Jornada Nacional de Literatura. O evento bienal, realizado há 36 anos em Passo Fundo (RS), vai reunir cerca de duas mil pessoas acompanhando a programação principal e 20 mil crianças e adolescentes participando da Jornadinha Nacional de Literatura, em sua oitava edição. Há ainda conferências sobre vários temas, seminários, oficinas e grupos de pesquisa, além de exposições de arte, mostra de fotografias e feira literária. Entre os convidados deste ano estão nomes como Conceição Evaristo, Marina Colasanti, Affonso Romano de Sant’Anna, Ondjaki e Roger Mello. Os homenageados serão Clarice Lispector, Ariano Suassuna, Moacyr Scliar e Carlos Drummond de Andrade. Na abertura, serão entregues os prêmios do 14º. Concurso Nacional de Contos Josué Guimarães e será apresentado o espetáculo Jornada de livros e sonhos, com a Cia da Cidade. A movimentação cultural de Passo Fundo rendeu à cidade o título de Capital Nacional da Literatura, reconhecida pela lei nº 11.264/2006, e de Capital Estadual de Literatura, pela lei nº 12.838/2007.

Coletivo de poesia celebra cinco anos com novo espetáculo em São Paulo

poetas ambulantes_foto_renata armelinSem palco e sem microfone, os Poetas Ambulantes celebram cinco anos de atuação na capital paulista às quartas e quintas-feiras no Sesc 24 de Maio (Rua 24 de Maio, 109 – República – São Paulo). O espetáculo gratuito, com novo repertório, pode ser conferido nos dias 27 e 28 de setembro e 04 e 05 de outubro. Inspirados nos vendedores ambulantes que atuam nos transportes públicos, comercializando diferentes produtos, o grupo composto por seis poetas aposta na informalidade e na interatividade, distribuindo poemas impressos e declamando versos que discutem sobre política, feminismo, amor, fé e humor, contando com a energia do público, que influencia o ritmo do sarau ambulante.

No Sesc, sob a direção do poeta e ator Beto Belinatti, o coletivo composto por Mel Duarte, Carol Peixoto, Jefferson Santana, Mari Staphanato e Thiago Peixoto traz textos autorais e de outros autores, explorando as possibilidades da linguagem poética, com uma nova roupagem para as apresentações, trabalhando repertórios reconstruídos e divididos em temas.

Em Essepê, os textos de Daniel Minchoni, Miró da Muribeca, Racionais, Adoniran Barbosa e Marcelino Freire, entre outros, traduzem a cidade de São Paulo, com todos seus amores e desamores, reproduzindo o caos e as causas que vivem nela. Com Respeita as minas, o grupo propõe um momento de reflexão em torno do universo feminino, falando de feminismo e discutindo sobre machismo, com textos de nomes como Elisa Lucinda, Alice Ruiz, Anelis Assumpção e Itamar Assumpção.

Desde que foi criado, em 2012, o Poetas Ambulantes já realizou mais de 100 apresentações por todo o país,com destaque para as passagens por festivais como Festa Literário Internacional de Paraty, Festa Literária de Pernambuco (Fliporto) e VI Bienal de Jovens Criadores dos Países de Língua Portuguesa em Salvador (BA). Em São Paulo, o coletivo já rodou todas as linhas da CPTM e do metrô, bem como as principais avenidas. Além disso, uma vez por ano, sempre no mês de dezembro, os Poetas Ambulantes distribuem livros em locais públicos. Nesses cinco anos, já entregaram cerca de 3 mil exemplares de mão em mão. Para celebrar o aniversário, o grupo prepara agora um documentário.

Foto: Divulgação/ Renata Armelin

Tradução de Ana C. para conto de Katherine Mansfield inspira espetáculo

Êxtase Anotado (1)O espetáculo-instalação Êxtase anotado, de Cristina Flores e Letícia Monte, apresenta na Sala Multiuso do Sesc Copacabana (Rua Domingos Ferreira, 160) uma nova percepção sobre a tradução-tese de Ana Cristina Cesar para o conto “Bliss”, de Katherine Mansfield. A montagem é formada por duas instalações penetráveis sobrepostas: a primeira é sonora e imersiva, enquanto a segunda é espacial. A sonora faz uso de uma tecnologia de cinema, fazendo com que a narração de Alamo Facó, Branca Messina, Drica Moraes, Ismar Tirelli Neto, Lola Sanchez, Mateus Solano e das duas autoras se movimente tridimensionalmente; e a espacial é constituída por uma grande mesa plantada – um jardim de plantas-coração, um ‘viveiro-célula’ inspirado no conceito de Cells da artista Louise Bourgeois e na experiência dos penetráveis de Helio Oiticica – em que o público se senta ao redor. “Bliss”, publicado em 1918, fala sobre as mulheres e seus sentimentos diante da norma e da opressão. Em 1981, a poeta Ana Cristina Cesar traduziu o conto como trabalho final de mestrado na Universidade de Essex, na Inglaterra. O espetáculo tem orientação de pesquisa de Heloisa Buarque de Hollanda e direção de movimento Ana Vitoria. As apresentações podem ser conferidas às sextas e sábados, às 19h e aos domingos às 18h até 1 de outubro. Ingressos a R$ 25.

 

 

Evento literário na Serra Fluminense homenageia Machado de Assis

Captura de Tela 2017-08-30 às 10.38.36O Presidente da Academia Brasileira de Letras, Domício Proença Filho, e o poeta Antonio Carlos Secchin, também integrante da ABL, abrem logo mais, às 19h, a Festa Literária da Serra Imperial (Flisi), no Cine Teatro Imperial, em Petrópolis. O evento, na serra fluminense, vai até sábado, e homenageará Machado de Assis e os 120 anos da instituição que ele ajudou a fundar e da qual foi seu primeiro presidente. Domício Proença Filho falará sobre o aniversário da ABL, comemorado em 20 de julho, e a história da casa nessas 12 décadas. Secchin fará a palestra “Traindo a tradição: Machado de Assis e Dom Casmurro”, na qual serão apresentados os principais argumentos contra e a favor de Capitu ao longo do tempo, e será proposta uma alternativa que procura redimensionar o problema, levantando uma hipótese até então desconsiderada sobre o clássico de Machado, Dom Casmurro. Será inaugurada ainda a exposição A Serra Imperial de Machado de Assis e seus melhores poemas, com fotos do acervo da Biblioteca Nacional associadas aos poemas do escritor. O acadêmico Antônio Callado também será homenageado na Flisi por seu centenário de nascimento, com a inauguração de uma sala de leitura com mil livros novos, na Casa da Educação Visconde de Mauá, e com a exposição Quarup, que revive seu romance homônimo, sobre os índios do Xingu. A Flisi é uma realização do Museu Imperial, unidade do Instituto Brasileiro de Museus do Ministério da Cultura, idealizada pelo Instituto Oldemburg de Desenvolvimento. Este ano, segundo os organizadores, a festa percorrerá diversos espaços culturais de Petrópolis, como o Centro Cultural Raul de Leone, a Casa da Educação Visconde de Mauá e a Casa Stefan Zweig, além do Museu.

Reflexão sobre obra de João Cabral de Melo Neto à luz da psicanálise

João Cabral de Melo Neto autor de Morte e Vida SeverinaO poema “Morte e Vida Severina”, de João Cabral de Melo Neto, é a inspiração para a Jornada Temática do 26º Congresso Brasileiro de Psicanálise da Febrapsi (Federação Brasileira de Psicanálise) Morte e Vida – Novas Configurações. O evento será neste sábado, das 9h às 17h, no Auditório do Edifício Cidade do Leblon (Avenida Ataulfo de Paiva, 135/ 18º andar – Leblon – Rio de Janeiro). A jornada convida à reflexão sobre como se morre e como se vive em nossos tempos e culturas e pretende, através do viés da psicanálise, da antropologia e da filosofia, propiciar um intercâmbio de ideias e debates. O encontro é promovido pela Sociedade Brasileira de Psicanálise do Rio de Janeiro (SBPRJ), Sociedade Psicanalítica do Rio de Janeiro (SPRJ) e Associação Psicanalítica do Estado do Rio de Janeiro (Aperj-Rio4). As inscrições podem ser realizadas na sede da SBPRJ (Rua David Campista, 80 – Humaitá), pelo e-mail tesourariasbprj@sbprj.org.br e pelo telefone (21) 2537-1333.

Festival Internacional e Primavera Literária se encontram em Belo Horizonte para celebrar a diversidade

maxresdefault.jpgPorsha Olayiwola (foto), Felix Kaputu, Conceição Evaristo e Eliane Potiguara são alguns dos destaques da segunda edição do Festival Literário Internacional de Belo Horizonte – FLI-BH, que será realizado entre os dias 14 e 17 de setembro, no Centro de Referência da Juventude (Praça da Estação, s/n – Centro), em parceria com a terceira edição da Primavera Literária, da Liga Brasileira de Editoras Independentes (Libre). A programação, toda gratuita, contará com palestras, rodas de conversa, oficinas, saraus, narrações de histórias, exposições, feira de escritores e editoras independentes, lançamentos de livros, sessões de autógrafos, mostra de cinema e literatura, bibliotecas para bebês e intervenções urbanas.

Com curadoria de Francisco de Morais Mendes e Adriane Garcia, o tema deste ano será Vozes de todos os cantos, que propõe trazer à cena a diversidade que a literatura expressa reunindo grupos que movimentam a cena literária na cidade e em diferentes partes do mundo. Estão confirmados nomes como a poeta e educadora social Nívea Sabino, que usa a poesia como modo de resistência ao racismo, lesbofobia e sexismo; o escritor Rogério Coelho, que desenvolve há mais de oito anos o projeto Coletivoz, propondo encontros literários por meio de oficinas, saraus, batalhas de rima e poesia; e Camila Félix e Vito Julião, integrantes do Circuito Metropolitano de Saraus, coletivo composto pelos saraus de BH e região que pretende promover os encontros de poesia e a circulação de pessoas por esses espaços na cidade. Outros convidados são a atual Campeã do Mundial de Slam, a americana Porsha Olayiwola; a escritora e professora da Universidade de Coimbra Teolinda Gersão; o escritor e pesquisador congolês Felix Kaputu, refugiado que reside temporariamente no Brasil; a professora, escritora e ativista indígena Eliane Potiguara, fundadora da Rede Grumin de Mulheres Indígenas; e a escritora, poeta e romancista mineira Conceição Evaristo, que foi um dos grandes destaques da Festa Literária Internacional de Paraty.

Apostando na bibliodiversidade, a Primavera Literária retoma a parceria com o festival, reunindo 39 editoras independentes, que vão apresentar títulos com descontos de até 50% sobre o preço de capa. A homenageada será a escritora e jornalista Laís Corrêa de Araújo, titular da coluna Roda gigante, publicada regularmente durante muitos anos no jornal Estado de Minas. Toda a programação é gratuita. Informações no site www.flibh.com.br.