CCBB RJ apresenta monólogo baseado em conto de Borges

o imortal_ credito Ismael Monticelli_ 462Baseado no conto homônimo do escritor argentino Jorge Luis Borges, o monólogo O imortal estreia no dia 6 de abril no Teatro III Centro Cultural Banco do Brasil do Rio de Janeiro (Rua Primeiro de Março, 66 – Centro), estrelado pela atriz Gisele Fróes, com direção dos Irmãos Guimarães e dramaturgia de Adriano Guimarães e Patrick Pessoa. A história gira em torno de uma mulher que recebe de um antiquário os seis volumes da tradução inglesa da Ilíada, de Homero. Dentro do sexto volume, ela descobre um manuscrito escondido. É o relato autobiográfico de Marco Flamínio Rufo, militar do Império Romano, que, no século III, partiu em busca da Cidade dos Imortais e do rio que purificaria da morte todo aquele que bebesse de suas águas. No decorrer da narrativa, acompanhamos os acontecimentos da desafiadora trajetória do militar. Borges publicou o “O imortal” em 1949 dentro da coletânea de contos O Aleph. O espetáculo, que estreou em Brasília este mês, investiga os múltiplos sentidos da (i)mortalidade na obra do escritor argentino. No processo de pesquisa para a montagem teatral, que começou em meados de 2015, Adriano Guimarães, Gisele Fróes e Patrick Pessoa estudaram a obra do autor, em especial o ensaio A imortalidade, escrito quase 30 anos depois de “O imortal”. A peça terá sessões de quarta a domingo, às 19h30, com ingressos a R$ 20, até 27 de maio.

Foto: Divulgação/ Ismael Monticelli

Anúncios

Rodrigo Lacerda fala de seu processo de criação em evento gratuito em SP

unnamedA série Encontro com os escritores, ciclo de conversas da Universidade do Livro (Praça da Sé, 108, 7º andar, esquina com rua Benjamim Constant – São Paulo) recebe nesta quarta-feira das 19h às 21h o premiado escritor, tradutor e editor Rodrigo Lacerda. É a oitava edição do encontro e a primeira deste ano. Lacerda vai falar sobre sua carreira, processo de escrita, vida pessoal e autografar seus livros. Ele é autor, entre outros, de O fazedor de velhosOutra vida Hamlet ou Amleto? Shakespeare para jovens curiosos e adultos preguiçosos. O evento será mediado pelo jornalista Paulo Werneck. As inscrições gratuitas podem ser feitas em http://editoraunesp.com.br/unil/serie-encontro-com-os-escritores-rodrigo-lacerda-28032018?utm_source=akna&utm_medium=email&utm_campaign=Encontro+com+Rodrigo+Lacerda

Histórias de mulheres saem dos livros para virar poemas visuais e digitais

Capa_Mabel_3-728x444O Oi Futuro (Rua Dois de Dezembro 63 – Flamengo – Rio de Janeiro) inaugura logo mais, às 19h, a exposição Cartas, de Mabel Velloso. Com curadoria de Alberto Saraiva, a mostra reúne cartas publicadas no livro Cartas de dor, cartas de alforria (Oiti, 2004), que falam da dor do amor, da prisão da alma feminina e de sua libertação. No livro, Mabel transforma em cartas 40 histórias femininas – a maioria delas recolhida em sua cidade natal, Santo Amaro da Purificação (BA). Para a mostra, dez escritoras gravaram esses textos, emprestando suas vozes à poesia de Mabel em projeções de grande porte, misturadas a imagens de Salvador e Rio de Janeiro, que vão ocupar a Galeria 1 do Oi Futuro. A mostra faz parte da quinta temporada do Programa Poesia Visual e Digital. Aos 84 anos, a baiana Mabel Velloso, irmã de Caetano Veloso e Maria Bethânia, tem mais de 30 livros publicados, diversas composições para a MPB e uma longa trajetória na Educação, tendo lecionado por mais de quatro décadas em escolas públicas na Bahia. Inspirado nas ideias da escritora, o projeto Poesia Visual e Digital vai levar a arte de escrever cartas a estudantes da rede pública do Rio. No Colégio Estadual Amaro Cavalcanti, no Largo do Machado, o projeto vai promover encontros com o curador Alberto Saraiva e professores de literatura, em que jovens de ensino médio vão criar suas próprias cartas, a serem postadas para a própria Mabel. Como parte do projeto, a escritora vai responder todas delas, que serão apresentadas ao longo da exposição. Cartas pode ser vista de terça a domingo, das 11h às 20h, com entrada franca, até o dia 27 de junho. Na noite de abertura, o Centro Cultural Oi Futuro fará uma projeção a céu aberto do poema inédito “Rio de Janeiro”, criado por Mabel especialmente para a ocasião, em que ela faz uma reflexão sobre a situação atual do Rio. Confira o poema:

No céu da Cidade o sol se esconde

Os olhos fitam os raios se apagando

E eis que aparece lá, brincando

Uma estrela que sinaliza luz e cor

Uma prece soa sobre a tarde

Pedindo um dia novo sem maldade

E o sol arde com vontade de atender

Mas já é noite. O sol perdeu seu brilho

E a prece escorre procurando o trilho

De esperança que foi jogado no azul

A reza repetida traz uma luz acesa

Uma certeza se estende no horizonte escuro

A noite se espalhou atrás das pedras

A Cidade escureceu e foi dormir

A esperança teima, espera e reza

Um outro dia vai nascer. A prece cresce:

Sol! Traga a paz que anda perdida atrás do muro.

A literatura antes do livro

O Sesc Pompeia promove logo mais, às 19h30, a primeira edição do projeto “Lá na laje: clube do livro sem livro”. A ideia é promover um diálogo com autores da cena literária independente, que iniciaram sua escrita fora das páginas do livro impresso. Seja na internet, no guardanapo de papel, no slam, sarau ou nas intervenções urbanas. Neste primeiro encontro, “Do balcão do bar aos muros: tinha uma rede social no meio”, nas lajes de leitura da Biblioteca, terá os poetas Ryane Leão, do projeto “Onde Jazz Meu Coração” e autora do livro Tudo nela brilha e queima, com mais de 150 mil seguidores nas redes sociais, e Pedro Gabriel, autor do livro Eu Me Chamo Antônio, uma série de volumes com textos escritos em guardanapos. Eles falam sobre seus processos criativos e as etapas que percorreram até terem suas obras publicadas. A mediação será da jornalista Jéssica Balbino, co-curadora do evento com o núcleo socioeducativo do Sesc Pompeia. O clube Lá na Laje será realizado na terceira semana de cada mês, sempre às quartas-feiras, até junho. Já estão confirmadas as presenças de Lâmia Brito e Giovanna Lima, na mesa de abril, que vai debater “Literatura nos muros da cidade: obra permanente e a céu aberto”. Em maio, os convidados são a poeta Jô Freitas e o escritor Jessé Andarilho. Ambos vão falar sobre “Narrativas literárias: precisamos mesmo de livro impresso?”. Já no encontro do mês de junho, o tema será “Entrelinhas: no tecido, nos muros e na música, uma literatura viva”, com a artista Karen Dolorez e o grupo de rap Santa Mala, da Bolívia.

Clássico da literatura brasileira ganha nova montagem nos palcos

O espetáculo O Ateneu estreia nesta terça-feira no Teatro Oi Casa Grande (Av. Afrânio de Mello Franco, 290 – Leblon – Rio de Janeiro), homenageando Carlos Wilson, o Damião, 30 anos depois da montagem original realizada por ele, que revelou uma geração de atores, como Selton Mello, Du Moscovis, Marcelo Serrado e Bianca Comparato. Baseado no romance de Raul Pompéia, a peça tem apresentações as terças e quartas-feiras, às 19h, até 4 de abril, com 37 novos atores, entre eles Vitor Thiré e Caio Manhente.  A direção da remontagem é de Oberdan Junior e Marcelo Cavalcanti. Os figurinos são de Biza Vianna e a música original de Milton Nascimento e Fernando Brant. O espetáculo conta a trajetória do menino Sérgio dentro de um internato no final do Século XIX, um pequeno mundo em que ele vai viver suas primeiras amizades, experimentar a hipocrisia, descobrir o amor e enfrentar muitas injustiças.

Fotos: Divulgação/ Julio Ricardo

Prazo para concurso estudantil do Flipoços termina nesta sexta-feira

concurso_flipoços2Termina nesta sexta-feira o prazo para entrega dos trabalhos do Concurso Estudantil 2018, que faz parte do Festival Literário Internacional de Poços de Caldas (Flipoços). As instituições de ensino públicas e privadas do município mineiro estimulam a produção de redações e desenhos com a temática do evento deste ano, “A literatura & os outros saberes”. O resultado será divulgado no dia 13 de abril e a premiação será dia 3 de maio, dentro da programação do evento, que vai de 28 de abril a 6 de maio. Na edição de 2017 foram recebidos 245 trabalhos, entre redações e desenhos. A programação oficial do Flipoços 2018 está no ar no site www.flipocos.com.

Guimarães Rosa é tema de conferências na ABL

unnamedA Academia Brasileira de Letras (Av. Presidente Wilson 203 – Castelo – Rio de Janeiro) abre nesta terça-feira, às 17h30, o ciclo de conferências Guimarães Rosa, Escritor e Diplomata, com palestra do jornalista, escritor e poeta José Nêumanne Pinto. O tema deste primeiro dia será “Machado de Assis e Guimarães Rosa. Ligações singulares”, sob coordenação do acadêmico e poeta Carlos Nejar. “O que há de mais notável nos narradores Bentinho e Riobaldo, ambos velhos, ambos relatando amores interrompidos ao longo da vida? É que eles trazem a lume duas figuras luminosas e encantadoras: a serelepe Capitu e a guerreira Diodorim. São relatos pioneiros sobre o mistério, a graça e o veneno da mulher brasileira”, explica Nêumanne. A coordenação geral dos ciclos deste ano é da acadêmica e escritora Ana Maria Machado, primeira-secretária da ABL. A entrada é franca e quem comparecer vai receber certificado de frequência.